2020: um ano diferente também para o Dia dos Pais

Pandemia faz da distância demonstração do amor entre pais e filhos

Ser pai em 2020 é diferente. O Dia dos Pais também. Em meio ao isolamento causado pela pandemia do novo coronavírus, o amor pelo pai agora implica distância ou, no mínimo, cuidados máximos. Afinal, são esses cuidados que garantirão muitos dias dos pais a serem comemorados.

A distância da filha Natássia Miranda – hoje, uma médica veterinária de 31 anos – não é novidade para Todor Jorge de Oliveira, 49 anos. “Já passamos seis anos separados por causa de eu ter ido estudar na Bulgária”, lembra o analista de projetos de Tecnologia da Informação (TI).

Amor juvenil

O retorno ao Brasil era uma certeza, mesmo com a possibilidade de desenvolver uma vida profissional na Europa, já que Todor tem também cidadania búlgara. “Eu não queria que minha filha crescesse com um pai fantasma, presente apenas na certidão. Ela foi fruto de um amor juvenil. Eu e a mãe dela tínhamos entre 16 e 17 anos quando veio a notícia da gravidez. Acabei sendo o primeiro dos meus amigos a ser pai”, acrescenta.

Encarar a distância da filha agora, por causa da covid-19, “tem sido até fácil” para ele. “De fato, estamos nos vendo muito pouco este ano, depois que essa doença chegou. Mas temos nos falado por meio das redes sociais. Os contatos têm sido pelas vias virtuais mesmo. A gente até se encontrou em alguns aniversários da família. Mas estamos evitando. Ainda mais porque visito muito os meus pais, e eles são grupo de risco”.

todor_oliveiraarquivo_pessoal
todor_oliveiraarquivo_pessoal – Arquivo pessoal

Neste Dia dos Pais, a solução foi se reunirem na casa dos avós, onde há um grande quintal. O encontro será restrito ao núcleo familiar, mantendo a distância segura e tendo todos os cuidados possíveis.

“É difícil porque a gente sempre teve eventos em família. Sempre íamos a restaurantes. Agora, tudo está pausado. Mas o mundo inteiro está assim. Então não causa nenhum grande impacto. Aliás é até mais fácil, se comparado aos tempos de Bulgária, quando os contatos eram por cartas e a telefonia era bem mais complicada”.

Cuidados

Pais e filhos que moram juntos também tiveram as rotinas alteradas em função do novo coronavírus. A situação fica ainda mais complicada para quem não pode fazer teletrabalho. É o caso de Daniel Barbosa – pai de Fernanda, de apenas 4 meses. Ele trabalha como vigilante no Supremo Tribunal Federal (STF).

A menina nasceu no dia 16 de março, quando o comércio começou a ser fechado em Brasília. “Desde então, tudo na minha vida mudou. Tanto com a bênção que foi a chegada da Fernanda, quanto com o início dessa pandemia”, disse ele à Agência Brasil.

“Eu penso o tempo inteiro na minha família. Fiquei uma pessoa muito mais cautelosa em tudo que faço. Minhas ações todas são pensadas e repensadas porque não posso, de forma nenhuma, ser um cara inconsequente. Além disso, me apeguei ainda mais a meus pais”, acrescentou.

Melhor momento do dia

A maior preocupação de Daniel é com o risco de se contaminar e levar a doença para casa. “De forma nenhuma quero ser um vetor dessa doença para a minha família. Por isso, nem chego perto quando venho do trabalho. É direto ao banho, depois de colocar a roupa para lavar”.

Fernanda foi uma filha muito planejada. O que não estava nos planos era a covid-19. Mas isso não tirou o brilho da paternidade. “É uma bênção para a minha vida. Chego em casa cansado e me deparo com aquele sorriso puro de quem, mesmo sendo tão novinha, já sabe quem é o pai. Ela já tem sentimento por mim, ela sorri. É amor!”, afirma o pai.

“O momento em que a pego no colo após mamar é simplesmente o melhor do dia”, acrescenta.

Instituto Pai por Inteiro

Pai de duas filhas – Ana Rafaela, de 7 anos, e Gabriela, de 1 ano – o educador parental Rodrigo Gaspar, 35 anos, explica que os tempos de covid-19 trouxeram “um novo ritmo” para as famílias. “Nós precisamos redefinir melhor esse novo modelo de viver em casa, de fazer o homeschooling (educação domiciliar) com as crianças, de fazer as atividades de forma dividida e separada, onde não tem um ajudando o outro, mas pai e mãe, os dois, com uma carga muito parecida para tudo”.

Por meio do Instituto Pai por Inteiro, Rodrigo Gaspar ajuda famílias e empresas a obterem “ferramentas e conhecimentos” relacionados à paternidade. Segundo ele, a paternidade e a maternidade podem ensinar as pessoas a lidar melhor dentro de seus ambientes de trabalho e em seus lares.

rodrigo_gaspar_arquivo_pessoal
rodrigo_gaspar_arquivo_pessoal, por Arquivo pessoal

“Os ensinamentos que vêm dessa biblioteca são únicos e muito proveitosos”, acrescenta ao afirmar que vê também na paternidade uma possibilidade de “entender que os filhos, de modo geral, sempre serão eternos mestres aprendizes”, e que esses tempos de isolamento – onde núcleos familiares acabam compartilhando de forma muito mais intensa a rotina – podem ser uma oportunidade para tirar o que há de melhor no convívio familiar.

“Eles podem representar oportunidades porque a relação com o filho enriquece na dedicação a buscar alternativas para brincadeiras novas e para novos desafios. A pandemia fez com que tudo fosse reconfigurado. Não é uma situação fácil em 100% do tempo, como não é fácil também na paternidade. Mas aqui em casa estamos vencendo bem a pandemia e tendo momentos de muita qualidade em nossas vidas”.

Para este Dia dos Pais, o educador parental pretende reunir a família na casa dos avós, que são “praticamente os únicos” com quem tem se encontrado durante os últimos meses. “Claro que tomaremos todos os cuidados. Mas vamos, sim, fazer uma grande celebração de como a paternidade pode, sempre, fazer com que cresçamos juntos”.

Edição: Graça Adjuto

Agência Brasil

Tags

Assessoria

Com mais de 43 anos prestados à radiofonia paraibana, o radialista Cardivando de Oliveira iniciou a carreira em plena ditadura militar. Apresentador do programa BOM DIA PARAÍBA, na rádio Sanhauá, Cardivando é dono de uma audiência invejável.Cardivando Cavalcante de Oliveira, pessoense, radialista com mais de 50 anos prestados ao radialismo paraibano, iniciou a carreira no ano de 1964, em plena ditadura militar, no bairro da Torre, como locutor da Difusora Luso-brasileira, pertencente ao radialista Manoel Alexandre.Âncora do programa BOM DIA PARAÍBA, apresentado pela rádio Sanhauá, na freqüência AM 1.280, Cardivando foi o comunicador pioneiro, a colocar o ouvinte no ar através do telefone. No seu programa, são abordados diversos temas sempre com a participação do ouvinte. Dono de um estilo singular de fazer rádio, Cardivando de Oliveira é o criador do bordão: "Tu cai daí", ora utilizado por ele, sempre que um ouvinte comete um deslize, ou exagera num determinado comentário.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios